"Se os que me viram já cheia de graça
           Olharem bem de frente para mim,
           Talvez, cheios de dor, digam assim:
           'Já ela é velha! Como o tempo passa!...' "

 
                         (Velhinha - Sonetos de Florbela Espanca)
Magnus Lázaro
"Foi pelo Outono que comecei a arder nas tardes do teu corpo." (João Rui de Souza)
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos
Título Categoria Data Leituras
Por Onde Andam Nossas Crianças Crônicas 07/07/12 49
Um Encontro na Espanha Crônicas 17/06/12 34
La Basilique du Sacré Couer Poesias > Recordações 17/06/12 19
Tempos Passados Poesias > Redondilha 10/06/12 33
Haikais Haikais > Guilherminos 10/06/12 25
O Sufoco Que Passei no Ônibus em Strasburgo Crônicas 09/06/12 184
Não Me Culpe Poesias > Amor 02/06/12 38
Sintra Poesias > Recordações 01/06/12 13
O Banheiro Público Crônicas 22/05/12 189
Saudades de Minha Terra Poesias > Saudade 22/05/12 35
Fome Trovas 06/05/12 14
O Voo do Pássaro Trovas 06/05/12 10
Canto da Juriti Trovas 06/05/12 37
Noite em Lisboa Trovas 06/05/12 18
Os Baianos na TV em Portugal Crônicas 02/05/12 63
Solidão Poesias > Transcendentais 25/04/12 11
O Paradoxal Poesias > Transcendentais 25/04/12 20
Receptividade Portuguesa Crônicas 22/04/12 49
Habitantes de Cascais Poesias > Recordações 22/04/12 13
Veni, vidi, vici! Crônicas 22/04/12 47
Página 10 de 19 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » [«anterior] [próxima»]
Site do Escritor criado por Recanto das Letras
"Pássaros que voam sem destino; pássaros que fazem morada aqui e acolá são como sementes que nascem sem saber onde morar"!
                                                                                   
                                                                                                      Magnus Lázaro

                                                       "Sonho que sou um cavaleiro andante.
                                               Por desertos, por sois, por noite escura,
                                               Paladino do amor, busco anelante
                                               O palácio encantado da Ventura!"

                                                         
(O Palácio da Ventura -Antero de Quental)