"Se os que me viram já cheia de graça
           Olharem bem de frente para mim,
           Talvez, cheios de dor, digam assim:
           'Já ela é velha! Como o tempo passa!...' "

 
                         (Velhinha - Sonetos de Florbela Espanca)
Magnus Lázaro
"Foi pelo Outono que comecei a arder nas tardes do teu corpo." (Joăo Rui de Souza)
CapaCapa
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Guerreira

Três baratas carcomidas pela febre de nobreza;

Três mistérios incubados em sua própria estupidez;
Três; três mais; três! Puras e ignóbeis! A incerteza...
Eu sei, querida! O dia vem; um dia chegará tua vez!
 
Pode correr o tempo, pois até ele se cansará!
Podem viver o logro, a malandragem e a má vontade...
Mas o que negaram a ti doeu em mim e, quiçá,
Tu possas um dia ensinar que, na vida, o saber é a verdade!
 
Olho nos olhos de tua rubra e delicada face
E vejo que os pingos salgados que te alimentam
Também banham o meu corpo em um enlace!
 
Que morram aqueles que ceifam a esperança de vida melhor!
Tenhas piedade, pois, os maus olhares que te enfrentam,
Amanhã, se curvarão e, diante de ti, virarão pó!
 
 
Magnus Lázaro
Enviado por Magnus Lázaro em 22/01/2015
Alterado em 11/07/2017
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
"Pássaros que voam sem destino; pássaros que fazem morada aqui e acolá são como sementes que nascem sem saber onde morar"!
                                                                                   
                                                                                                      Magnus Lázaro

                                                       "Sonho que sou um cavaleiro andante.
                                               Por desertos, por sois, por noite escura,
                                               Paladino do amor, busco anelante
                                               O palácio encantado da Ventura!"

                                                         
(O Palácio da Ventura -Antero de Quental)