"Se os que me viram já cheia de graça
           Olharem bem de frente para mim,
           Talvez, cheios de dor, digam assim:
           'Já ela é velha! Como o tempo passa!...' "

 
                         (Velhinha - Sonetos de Florbela Espanca)
Magnus Lázaro
"Foi pelo Outono que comecei a arder nas tardes do teu corpo." (João Rui de Souza)
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos


Contrição
 
 
 
Um retrato desbotado;
Uma parede caiada;
Chão de barro pisado;
Cama de palha espalhada.
 
Minha palhoça; minha alegria...
O cão que ladra;
Meu galo de briga; uma rinha,
E a cancela fechada.
 
Não passa boi nem boiada..
O passarinho, na gaiola,
Canta alto, com a voz aguçada...
E eu toco a minha viola.
 
Choram as doze cordas;
Cai a noite...
Aceso o lampião; o coite,
Encho o copo até as bordas.
 
Uma talagada de aguardente
Deixa a mente mais solta...
A melodia sai mais contente;
Embriagado, a ideia está envolta.
 
Vem o sono do cansaço...
Ponho a viola de lado,
E vou me deitar num passo.
A cama só cabe num estrado!
 
E assim, somente só,
Nenhum’alma pra eu confessar...
Minha vida em forrobodó...
Eu, contrito, espero o tempo passar.
 
Magnus Lázaro
Enviado por Magnus Lázaro em 05/04/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
"Pássaros que voam sem destino; pássaros que fazem morada aqui e acolá são como sementes que nascem sem saber onde morar"!
                                                                                   
                                                                                                      Magnus Lázaro

                                                       "Sonho que sou um cavaleiro andante.
                                               Por desertos, por sois, por noite escura,
                                               Paladino do amor, busco anelante
                                               O palácio encantado da Ventura!"

                                                         
(O Palácio da Ventura -Antero de Quental)