"Se os que me viram já cheia de graça
           Olharem bem de frente para mim,
           Talvez, cheios de dor, digam assim:
           'Já ela é velha! Como o tempo passa!...' "

 
                         (Velhinha - Sonetos de Florbela Espanca)
Magnus Lázaro
"Foi pelo Outono que comecei a arder nas tardes do teu corpo." (João Rui de Souza)
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
Textos

A Madama, o celular e o Ladrão
 
 
Rua abaixo, lá vai a madama...
Celular nas mãos, despreocupada...
Tagarelava, sem pensar na trama
Que aconteceria na mesma calçada...
 
Já soubera, de antemão,
Que o local não é de se expor...
Mas a descuidada senhora não
Importava-se, na rua extrai-se o langor...
 
Após alguns passos,
Ainda ao celular, o inesperado!
(para ela) todos sabiam dos casos
De roubo, ali, continuado.
 
Vieram três ou quatro malvados...
Um deles saltou do carro,
E, sem nenhum pudor–exagerados-
Pôs-lhe a arma no peito; sarro
 
Nos dentes e na mão...
Hálito fétido, e com sarcasmo abrupto
Encostou-a na parede, e, de supetão,
Levou-lhe tudo, foi um rei absoluto!
 
A senhora, coitada, pôs, no ato, tudo fora...
O que não lhe é costumeiro...
Desfez-se dos pertences por inteiro!
E o ladrão saiu por aí afora...
 
 
Magnus Lázaro
Enviado por Magnus Lázaro em 06/04/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
"Pássaros que voam sem destino; pássaros que fazem morada aqui e acolá são como sementes que nascem sem saber onde morar"!
                                                                                   
                                                                                                      Magnus Lázaro

                                                       "Sonho que sou um cavaleiro andante.
                                               Por desertos, por sois, por noite escura,
                                               Paladino do amor, busco anelante
                                               O palácio encantado da Ventura!"

                                                         
(O Palácio da Ventura -Antero de Quental)