"Se os que me viram já cheia de graça
           Olharem bem de frente para mim,
           Talvez, cheios de dor, digam assim:
           'Já ela é velha! Como o tempo passa!...' "

 
                         (Velhinha - Sonetos de Florbela Espanca)
Ubirajara Sá
"Foi pelo Outono que comecei a arder nas tardes do teu corpo." (João Rui de Souza)
CapaCapa
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Madrugada
 
 
É madrugada e, sem sono,
Tento esquecer os conflitos mentais...
Sou um mordomo
Em um baile de lutas entre rivais...
Enquanto sou alma em um corpo
Que se enrola em lençóis matinais,
Alma que sou, vejo-me natimorto!
 
Se natimorto;
Sinto-me agonizante...
O corpo que recebeu sem conforto;
Amparou-me como um amante,
Que mesmo sabendo do sofrimento,
Desperta e recebe a amada sem lamento...
E passa o tempo doando-se até cair estafante!
 
Ao deitar-me, teimosamente acordado,
Conto estrelas e carneiros com a mente já cansada...
O corpo cede espaço e, calmamente, enlaçado,
Com sua alma querida e amada,
Espera que passem os carneiros e voem os astros;
Pois é chegada a hora de ambos esquecerem-se da vida!
Numa estrada por onde passaram, as lembranças são rastros...
Via pedregosa que jamais será esquecida!
 
 
Ubirajara Sá
Enviado por Ubirajara Sá em 27/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
"Pássaros que voam sem destino; pássaros que fazem morada aqui e acolá são como sementes que nascem sem saber onde morar"!
                                                                                   
                                                                                                      Magnus Lázaro

                                                       "Sonho que sou um cavaleiro andante.
                                               Por desertos, por sois, por noite escura,
                                               Paladino do amor, busco anelante
                                               O palácio encantado da Ventura!"

                                                         
(O Palácio da Ventura -Antero de Quental)